Black Friday e Natal devem abrir 470 mil vagas temporárias no país  

É esperada alta de 5% nas contratações no período, segundo entidade que monitora o comportamento do mercado

Anna França

Publicidade

O último trimestre do ano concentra as três datas comemorativas mais importantes para o comércio: o Dia das Crianças, a Black Friday e o Natal. No rastro delas, também cresce a oferta de vagas. Indústria, Comércio e Serviços, com destaque maior para empresas de logística, se preparam para o movimento maior reforçando as equipes de trabalho para atender ao aumento de demanda no período de promoções.

Essas datas devem incrementar as contratações em 5% na comparação com o mesmo período do ano passado, conforme estimativa da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem). Previsto na Lei Federal 6.019/74 e no Decreto nº 10.854/2021, o trabalho temporário é visto como um importante instrumento gerencial das empresas para atender os consumidores e uma boa oportunidade para quem procura emprego.

Depois de um pequeno recuo nos números do 3º trimestre, a entidade espera que as vagas sejam recuperadas até dezembro. “Acreditamos que, se o cenário for favorável, as indústrias podem acelerar suas contratações para atender a alta demanda de consumo do período, devido às datas sazonais”, afirma Marcos de  Abreu, presidente da associação.

Continua depois da publicidade

Segundo ele, o mercado de trabalho brasileiro encontra-se em uma trajetória favorável, caracterizada pelo aumento da empregabilidade e de efetivações celetistas. “Vivemos uma realidade de falta de mão de obra qualificada. Assim, quando a empresa encontra este profissional, ela o efetiva”, explica. De acordo com levantamentos da Asserttem, vem ocorrendo uma alta na taxa de efetivação média dos temporários, que passou de 20% para 22% neste final de ano.

“O trabalho temporário é um termômetro da atividade econômica no país. É uma adequação dos novos tempos, em que as empresas enxergam o regime jurídico como uma excelente opção de contratação, que preserva os direitos dos trabalhadores e ainda confere flexibilidade de gestão para acompanharem as oscilações do mercado”, afirma Abreu.

Alguns pontos são favoráveis à efetivação dos temporários. Entre eles estão:

Para a entidade, as contratações devem ser puxadas pelo setor da Indústria (55%), seguido pelo de Serviços (30%) e Comércio (15%) neste 4º trimestre. Neste novembro, o setor de Serviços ganha tração, principalmente nas empresas de e-commerce e do setor de logística, pela mudança no hábito de compra do brasileiro, que passou a comprar mais online somado ao movimento da Black Friday. Em dezembro, quem impulsionará a geração das vagas temporárias será o Comércio, nos pontos físicos, devido ao Natal.

Recuperação

A recuperação das contratações temporárias vem depois de um resultado ruim do 3º trimestre, que registrou recuo de 3,34% em relação ao mesmo período de 2022, ao gerar 608.800 posições de trabalho nos meses de julho, agosto e setembro. “O 3º trimestre de 2022 foi muito bom em relação à geração de vagas temporárias e achamos que isso se repetiria em 2023, mas não aconteceu”, diz Abreu.

Segundo ele, é no 3º trimestre que as indústrias costumam acelerar suas contratações pensando no final de ano. “A realidade, porém, mostrou que o setor está trabalhando com cautela, sentindo o comportamento do mercado. O recuo do dólar pode ter impactado as exportações brasileiras. Além disso, a China – maior importadora de produtos brasileiros – reduziu muito as importações, o que tem impactado o mercado como um todo”.

Vagas na logística

Segundo a Gi Group Holding, multinacional italiana especializada em soluções dedicadas ao mercado de trabalho, já estão previstas pelo menos 1.500 vagas para temporários na área de logística, com contratações para os meses de outubro e novembro.

As oportunidades são para os cargos de:

Em 2022, as vendas no período da Black Friday ficaram estáveis diante de um cenário econômico desafiador e impactos da Copa do Mundo no varejo em geral e da reabertura das lojas físicas somada às vendas online. “O volume de contratação de temporários para a data em 2023 sinaliza que as empresas estão otimistas em relação à Black Friday deste ano”, disse Cristiane Ichiyama, gerente regional do Gi Group em São Paulo.

As expectativas para consumo no período também são positivas. Levantamento realizado pela Méliuz mostra que os consumidores brasileiros estão dispostos a gastar 62% a mais nesta Black Friday. Além disso, a porcentagem de consumidores dispostos a aproveitar a data para fazer compras também cresceu 4% na pesquisa deste ano, atingindo 95,2%.

Anna França

Jornalista especializada em economia e finanças. Foi editora de Negócios e Legislação no DCI, subeditora de indústria na Gazeta Mercantil e repórter de finanças e agronegócios na revista Dinheiro.