Conteúdo editorial apoiado por

CLI planeja investir R$600 mi em terminal de Santos, o maior para açúcar do Brasil

Com a ampliação, a movimentação poderia subir para 19 milhões de toneladas ao ano

Reuters

Publicidade

A CLI, empresa de logística portuária, planeja investir R$ 600 milhões em seu terminal do porto de Santos, que é o maior exportador de açúcar do Brasil, além de operar com grãos no local.

O investimento aprovado pela CLI, dependendo somente de assinatura de um contrato para o reequilíbrio econômico financeiro com o governo federal, deverá elevar a capacidade de movimentação do terminal em 20%, disse o diretor de Operações da CLI, Marcos Pepe Bertoni.

Com a ampliação do terminal da CLI, que detém 80% do ativo em sociedade com a Rumo (com fatia de 20%), a movimentação poderia subir para 19 milhões de toneladas ao ano.

Os aportes serão direcionados a obras de melhorias, como novo parque de moegas para caminhões, novo armazém para açúcar, em novas esteiras enclausuradas, o que aumentaria a eficiência do terminal.

A CLI tem controle compartilhado entre a IG4 Capital e a Macquarie Asset Management Real Assets.

Além de operar em Santos, a CLI é sócia do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram), no porto Itaqui, onde é a maior exportadora de soja.

Bertoni será o próximo presidente do consórcio do Tegram, que tem presidência rotativa a cada dois anos com os demais sócios, que incluem NovaAgri, Viterra e ALZ Terminais (formado por Louis Dreyfus, Amaggi e Zen-Noh Grain).

Em 2023, o Tegram elevará a movimentação de grãos em mais de 15% em relação a 2022, à medida que tira proveito do escoamento de uma safra recorde no Brasil e de um avanço da produção na região do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).